O 6º EPEX da ESMAC debate Fiminicídio-Violência contra a Mulher

 em Noticias

Sessão Especial sobre Feminicídio  reuniu diversas autoridades para o debate sobre a violência contra a mulher no auditório do NPJ da Esmac, o assunto repercutiu na imprensa, na manhã desta quinta-feira (09).

O 6º EPEX da ESMAC reuniu mulheres de todos os seguimentos de Ananindeua e Belém no NPJ para falar do #Feminicídio um quadro de violência onde as vítimas são mulheres. Durante o debate uma audiência pública ficou encaminhada para ser realizada na Câmara Municipal de Ananindeua no dia 16 de Novembro.

A violência contra as mulheres colocou o Município de Ananindeua que mais mata mulheres no Brasil conforme dados do DATASUS. A cidade brasileira com mais mortes violentas de mulheres e a evolução desse número em dez anos (de 2005 a 2015 – último ano com dados disponíveis no sistema). Essa categoria inclui mortes por violência por diversos meios, como sufocamento, arma de fogo, objetos cortantes ou mesmo agressões sexuais*. Nesse recorte, Ananindeua foi o município com a maior taxa de morte de mulheres em 2015, com 21,9 homicídios para cada 100 mil. A segunda colocada, Camaçari, na Bahia, teve uma taxa de 13. A escalada da taxa de mortes de mulheres em Ananindeua ao longo dos anos também chama atenção: em 2005, foram apenas três mortes por agressões por 100 mil mulheres na cidade paraense – aumento de 730% em uma década.

Ananindeua aparece também entre as cidades com as maiores taxas de homicídio da América Latina e Caribe, segundo o Observatório de Homicídios. No último Mapa da Violência, que traz os homicídios por armas de fogo no país, de 2012 a 2014, ela fica em sétimo lugar no ranking.

Texto: Rita Martins

Vídeo: RBA/TV

Fotos: Ascom/ESMAC

Comentários

Comentários

Veja Também...

Digite uma palavra-chave e pressione ENTER para buscar